Mosaicos

Medicina do Exércício

Por mais que a prática diária de exercícios seja boa para controlar diabetes, níveis de colesterol e triglicérides e prevenir doenças cardíacas, indivíduos que já possuem determinadas cardiopatias devem ficar atentos. A prescrição para esse grupo deve ser individualizada, já que alguns tipos de atividade física podem fazer mais mal do que bem ao coração. Aqueles que já infartaram podem fazer atividades físicas (em geral 60 dias após a alta hospitalar), mas é imprescindível acompanhamento médico. A recomendação é fazer um teste ergométrico e um ecocardiograma antes de iniciar qualquer atividade, com o intuito de ver o nível de condicionamento físico do paciente e também analisar de perto o funcionamento do coração. Exercícios fazem parte da recuperação pós-infarto, mas é necessário ir aos poucos. Os exercícios ideais são os aeróbicos, como caminhar ou andar de bicicleta. A grande vantagem é que tais atividades aumentam a capacidade cardiorrespiratória, ao mesmo tempo elevando a oferta de oxigênio e diminuindo o consumo do gás pelo coração. A intensidade e duração deverão ser estabelecidas pelo médico, de acordo com o histórico do paciente. Em uma segunda etapa da recuperação, a critério médico, pode ser incluída musculação, para ampliar a resposta muscular, a força e a potência do indivíduo. Nosso convidado é o cardiologista Prof. Dr. Tales de Carvalho.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vida Inteligente