Mosaicos

Contato | Programa de 11.09.2011

Sempre haverá a troca de realidades entre o observador e o observado. Mas sempre o observador também é o observado e o observado também é o observador. Então, eles são vistos quando querem e porque querem. Não emitem ruídos, não deixam marcas, aparecem e desaparecem a seu bel prazer (ou necessidade), etc. Não vem de outros planetas, obedecem ordens, seguem um plano rígido de operação há centenas de milhares de anos, não interferem com a humanidade, não são superiores à humanidade. Há vários tipos de naves, vários objetivos, nem todos comunicam-se entre si (apesar de obedecerem as mesmas diretivas), tem organização social, tem princípio, tem fim, são de origens diferentes (mas ao mesmo tempo da mesma origem). Por que algumas pessoas os vêem e outras não? Por que em algumas regiões as aparições (ou exibições, no literal sentido da palavra) são freqüentes e em outras não? Eles são físicos, tanto quanto nós o somos. O som é uma das chaves para estas visualizações (ou avistamentos) que tanto nos agradam do ponto de vista humano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vida Inteligente